Histórico SMSE/MA

O SMSE/MA – Serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto deu início no Centro Social Paróquia Santa Luzia no ano de 2002 através do Projeto de Liberdade Assistida - conveniado com a antiga FEBEM. No ano de 2008, com a municipalização das medidas socioeducativas em meio aberto, o serviço passa a ter a supervisão da Prefeitura de São Paulo - Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social – SMADS.

O projeto é um serviço que executa as medidas determinadas judicialmente a adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade, de ambos sexos, que cometeram algum ato infracional.

As medidas em meio aberto determinadas pela justiça tratam-se de Liberdade Assistida e Prestação de Serviços à Comunidade. A equipe do SMSE/MA do Centro Social Paróquia Santa Luzia tem como objetivo principal garantir o atendimento digno aos adolescentes assistidos e suas famílias, através de orientações e intervenções educacionais; incorporando os procedimentos técnicos característicos da execução de uma política pública e a dimensão jurídica que impõe obrigações específicas ao atendimento socioeducativo com vistas à efetivação da dupla dimensão das medidas socioeducativas: a proteção social e a responsabilização do adolescente.

Dentro das ações realizadas no projeto, há a escuta qualificada, que possibilita a reflexão em relação ao ato cometido, o processo de responsabilização aliado à proteção social, consequentemente permitindo o comprometimento do adolescente com a sua escolarização, com a sua saúde, com o estabelecimento de novos vínculos comunitários e a adesão às oportunidades ofertadas a ele de profissionalização, de inserção no mercado de trabalho e de acesso a bens e equipamentos culturais e públicos.


Conscientes da importância da educação dessa juventude e o impacto na sociedade, mirando os Direitos Humanos reconhecidos aos adolescentes, toda equipe se empenha na promoção da cultura da preventividade, através das ações pedagógicas realizadas junto aos atendidos e suas famílias, estimando a inclusão dos assistidos na sociedade novamente.

O SMSE/MA – Serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto deu início no Centro Social Paróquia Santa Luzia no ano de 2002 através do Projeto de Liberdade Assistida - conveniado com a antiga FEBEM. No ano de 2008, com a municipalização das medidas socioeducativas em meio aberto, o serviço passa a ter a supervisão da Prefeitura de São Paulo - Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social – SMADS.

O projeto é um serviço que executa as medidas determinadas judicialmente a adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade, de ambos sexos, que cometeram algum ato infracional.

As medidas em meio aberto determinadas pela justiça tratam-se de Liberdade Assistida e Prestação de Serviços à Comunidade. A equipe do SMSE/MA do Centro Social Paróquia Santa Luzia tem como objetivo principal garantir o atendimento digno aos adolescentes assistidos e suas famílias, através de orientações e intervenções educacionais; incorporando os procedimentos técnicos característicos da execução de uma política pública e a dimensão jurídica que impõe obrigações específicas ao atendimento socioeducativo com vistas à efetivação da dupla dimensão das medidas socioeducativas: a proteção social e a responsabilização do adolescente.

Dentro das ações realizadas no projeto, há a escuta qualificada, que possibilita a reflexão em relação ao ato cometido, o processo de responsabilização aliado à proteção social, consequentemente permitindo o comprometimento do adolescente com a sua escolarização, com a sua saúde, com o estabelecimento de novos vínculos comunitários e a adesão às oportunidades ofertadas a ele de profissionalização, de inserção no mercado de trabalho e de acesso a bens e equipamentos culturais e públicos.


Conscientes da importância da educação dessa juventude e o impacto na sociedade, mirando os Direitos Humanos reconhecidos aos adolescentes, toda equipe se empenha na promoção da cultura da preventividade, através das ações pedagógicas realizadas junto aos atendidos e suas famílias, estimando a inclusão dos assistidos na sociedade novamente.